d

The Point Newsletter

[contact-form-7 404 "Not Found"]

Sed ut perspiciatis unde omnis iste natus error.

Follow Point

Comece a digitar sua pesquisa acima e pressione retornar para pesquisar. Pressione Esc para cancelar.
  /  Bike   /  5 dicas para quem quer viajar de bicicleta

5 dicas para quem quer viajar de bicicleta

Você que acompanha nosso blog já viu as indicações de algumas das melhores rotas de viagem para ciclistas na Europa. Hoje é a vez de receber as melhores dicas para viajar de bicicleta. E não são dicas qualquer. Quem vai falar sobre isso é o casal Antônio Olinto e Rafaela Asprino, referência do cicloturismo no Brasil.

Recentemente, Olinto e Rafaela voltaram ao Brasil depois de uma viagem de bicicleta pela Turquia e Irã. O resultado dessa viagem pode ser visto na websérie Os Filhos da Estrada editada pelos dois. Então, se você tem vontade de usar sua bicicleta para viajar, não se preocupe. Leia essas dicas, se programe e pé na estrada!

Como escolher o melhor equipamento para a viagem?

Isso vai depender do estilo de viagem que deseja fazer. Quando falamos de bicicleta, existem vários pequenos detalhes, como por exemplo: optar por um quadro que ofereça entrada de parafusos para fixação de bagageiros e tantos outros tão simples como este, mas que fazem muita diferença na prática.

De forma geral, acreditamos que resistência deve ser mais importante que performance. Ou seja, peças muito leves podem ser delicadas demais para uma grande viagem de bicicleta. Por outro lado, é mais importante possuir equipamentos de fácil manutenção e disponibilidade de peças de reposição em um canto qualquer do planeta do que aquele equipamento de última tecnologia, que só se encontra em grandes centros populacionais. Busque os equipamentos médios e já consolidados no mercado para ficar mais protegido e sossegado em uma viagem.

 

Quais são os acessórios mais importantes para uma viagem de bicicleta?

São vários: bagageiros, alforjes, bolsa de guidão, espelho retrovisor, um bom equipamento de camping. Tudo isso é necessário para que você tenha tranquilidade durante o pedal.

 

Como organizar a rota?

Acreditamos que a rota deve ser escolhida pela inspiração. Busque dentro de você mesmo o que mais lhe agrada conhecer. Se precisar, procure inspiração em guias, fotos e vídeos de regiões. Estude se é possível e agradável viajar de bicicleta por estas regiões em uma bicicleta, como desviar dos eventuais problemas e melhor aproveitar as vantagens da região. Conforme for pesquisando, se seus sonhos começarem a crescer, esta é a rota que deve seguir.

 

O que não pode faltar de jeito nenhum na bagagem?

Nós gostamos de viajar de bicicleta acampando da forma mais autônoma possível e com tempo de sobra, dessa forma nos sentimos realmente livres. Para isso, temos que levar tudo que nos faça sentir confortáveis na viagem. Pode parecer pesado, mas isso nos dá segurança de ficar em qualquer local e pedalarmos com o mínimo de estresse possível.

 

Como diminuir o peso da bagagem?

Isso é um grande aprendizado que é muito difícil para quem vive em um mundo tão consumista, mas numa viagem autônoma de bicicleta qualquer um aprende rapidamente.

Nos primeiros 1.000km pedalados em minha volta ao mundo de bicicleta percebi que, como tinha que carregar tudo o que precisava, aquilo que não utilizava acabava jogando fora. Logo aprendi que poderia viver com uma quantidade menor de objetos, e isso fazia com que eu pudesse pedalar mais e ir mais longe. Os próximos 1000km me ensinaram que eu precisava de ainda menos coisas para ser feliz. Todo mundo erra no começo, quanto mais rápido for aprendendo com o caminho, mais leve vai andar. Só não se esqueça do macete dos restaurantes por quilo. Eles sempre te oferecem um grande prato para que você tenha vontade de enchê-lo. Nós só levamos alforjes traseiros, pois quanto mais espaço, mais queremos carregar!

Qual foi a rota mais difícil que vocês já fizeram?

Esta é fácil responder! Sem dúvida foi a Rota das Lagunas, no Sul de Lipez, Bolívia, em pleno inverno altiplânico: um terreno pedregoso ou arenoso, sem estradas, só caminhos feitos por 4×4, com pouca água (tínhamos que carregar água para 2 dias), quase sem comida (tínhamos que carregar comida para 10 dias), altitude por volta dos 4500m, podendo chegar quase a 5.000m e, por fim, para coroar tudo, temperaturas que chegaram a marca de -23°C.

 

Já têm uma nova viagem programada?

Agora, continuando nossa parceria com a Specialized, faremos uma aventura dentro do Brasil. A partir de junho começaremos os trabalhos de levantamento e mapeamento de um novo Guia de Cicloturismo, dando continuidade aos circuitos de nossos Guias a partir da cidade de Diamantina-MG, até a Chapada da Diamantina-BA, atravessando a pouco divulgada Serra do Espinhaço. Logo teremos novidades deste circuito para divulgar aqui.

 

Tem o sonho de pedalar em algum lugar que não foi ainda?

Sim, muitos! Uma das coisas boas do cicloturismo é que ele pode ser praticado até idade avançada. É perigoso para um homem de 70 anos jogar futebol de verdade. Por outro lado, estamos com 51 e 43 anos e acreditamos que ainda temos mais de 20 anos para viajar muito por este belo mundo que a bicicleta nos mostra.

 

Quer saber mais sobre preparação, planejamento e equipamentos para viajar de bicicleta? Acesse a página de Antônio Olinto e Rafaela Asprino e confira todas as informações.

Deixe um comentário

COMENTE AQUI